Eu não sei amar pouco. Não sei como dar só um pedacinho de mim, e também não espero receber isso de alguém. Eu nunca me contentei com pouco. Talvez seja o mau do sol em capricórnio, ou para você que acha essa coisa de signo uma total roubada seja só ambição mesmo. Mas a verdade é que eu não quero me conter, me privar de nada, refletir até onde eu posso ir. Não quero me limitar. Não tenho paciência para filtrar minhas palavras ou me perguntar se eu deveria mandar aquela mensagem ou não, se deveria chamar para sair ou não, se eu deveria falar sobre minhas milhares de teorias malucas sobre o universo ou se tudo isso é demais. Mas sou eu, talvez eu seja "eu demais", talvez eu seja "amor demais''. Me desculpe se eu transbordo. Inclusive, às vezes eu mesma acho que sou pequena demais pra todos esses pensamentos dentro de mim. Um dia desses eu me perco em mim mesma.

Não se engane, a sensação de indiferença que posso causar de imediato é só parte do autocontrole. Não quero assustar, chegar do nada. Eu não sou de colocar só o pé na água, eu vou devagar e quando vejo já estou submersa, o problema é que pular na piscina sem saber nadar geralmente causa mais afogamentos do que nados sincronizados. Às vezes o amor não mergulha fundo o bastante porque tem medo do mar. Mas quem o culparia? A imensidão é assustadora para quem só nadou em águas rasas. O grande problema é que a maioria não parece disposta a ir fundo o bastante. Eu sei, é mais fácil voltar a superfície sem nenhum problema quando não se vai tão longe. Uma vez li em algum site bobo que o amor é como duas pessoas segurando um elástico, quem solta primeiro machuca o outro. Eu poderia dizer que quem largou tudo fui eu, mas minhas cicatrizes me entregariam totalmente.

Não sou mentirosa, já invejei todo esse desapego. Já tentei seguir a linha de quem não se importa. Talvez você pense que a partir daí parei com o meu romantismo crônico e vivi uma vida muito mais feliz sem frustrações, certo? Errado, muito errado. Às vezes fico pensando como duas pessoas tão diferentes podem ter, em algum ponto dessa vida maluca, seus caminhos cruzados. Não seria mais justo se o destino só colocasse na nossa frente quem está na mesma sintonia? Acho que ele tem um fraco pelo caos. Mas de bagunça aqui dentro já basta a minha. Acontece que eu já me culpei por sentir demais, assim como já condenei quem sente de menos. Não, eu não sou a senhorita dona da razão, nem ao menos sei o que estou fazendo, mas depois de um tempo percebi que não se deve pedir por amor. E mesmo assim, depois de tantos desencontros meu coração ainda é ruim de mira. Ruim pra cassete se quer mesmo saber. E talvez a parte mais complicada de tudo é que eu não tenho a menor ideia de como consertar isso. Não sei se tudo não passa de imaginação minha ou se é real. E se não for recíproco, ainda é amor?

Na verdade, o que sempre me gerou um interessante particular é: o que exatamente nos faz apaixonados? Talvez para você sejam os filmes favoritos em comum ou até mesmo aquele hobby que você sempre quis ter, mas não investiu por preguiça. E eu? Eu me apego demais aos detalhes, ao jeito que ele sorri com o rosto todo, como o cabelo dele fica bagunçado quando ele o balança ou o som que a risada dele tem. Talvez eu preste atenção demais a essas pequenas coisas e esqueça do mais importante: reciprocidade. Dessa vez eu jurei que estava no controle, mas eu me precipitei. Eu abri a porta. O amor entrou e a deixou aberta. Eu pensei que era cautela, mas então ele saiu e descobri que na verdade ele nunca tinha pensado em ficar. O amor veio de repente. Sem avisar. Chegou assim: aos poucos e de uma hora pra outra me fez duvidar, negar, odiar, desacreditar. O amor analisou o terreno para encontrar o ponto de partida no meio da estrada. O amor me tirou do chão pra depois me derrubar. Então foi aí que eu descobri que o amor na verdade não era amor. O amor, nunca foi amor. Ainda bem que não era.






Ele tem um cheiro bom que fica em todas as suas roupas, te faz dar risada das piores piadas e te torna uma pessoa mais distraída quando está perto de você. Ele te conta coisas que nunca disse a ninguém, fala dos sonhos que tinha quando criança e de todos os poemas que leu em um livro aleatório. Ele fala sobre qualquer coisa, desde reality shows sem graça até teorias sobre viagens no tempo. Quando ele fala com você, sempre parece a primeira vez. Ele tem um coração tão grande que quase não cabe no peito, mas não sabe disso. Te abraça forte do nada e fica assim por vários minutos só sentindo a sua respiração. Ele tem uma intuição que não pertence à este mundo, ninguém deveria ter tal poder. Sabe quando você não está bem antes mesmo de te ouvir dizer isso e sempre te alerta sobre a presença de possíveis aproveitadores ao seu redor, e ele nunca erra!

Ele sempre te diz o quanto é bonita e ainda fica vermelho quando ouve o mesmo de você. Quando se propõe a fazer alguma coisa, vai até o fim. Ele sabe o que quer, e sempre consegue. Mas às vezes precisa de um empurrãozinho seu para dar o primeiro passo. Te liga mesmo não tendo nada pra dizer, mesmo que apenas por dois minutos, só pra escutar a tua voz. Ele é a melhor companhia para suas maiores loucuras, mas também se aventura em um filme na sexta-feira à noite. É uma total bagunça, por dentro e por fora. Mas tudo bem, você sempre se deu bem com o caos. Ele não para quieto por um segundo, e isso te irrita demais, mas aí ele diz o seu nome enquanto sorri jogando a cabeça pra trás, e seus olhos viram uma meia lua que te faz esquecer completamente o que estava falando. Ele esquece de compromissos importantes e tem um sério problema em lembrar de datas comemorativas.

Ele não tem rosto, nome ou endereço. Ele pode ter olho azul, verde, castanho claro ou cabelo enrolado. Você não sabe se ele faz faculdade de engenharia, arquitetura ou se ganha a vida tocando violão nas ruas da cidade. Se ele tem dois irmãos ou morra no Rio de Janeiro. Se trabalha na loja do pai ou no restaurante da esquina. Você não sabe se ele brigou com a melhor amiga ontem ou se foi na casa dos avós no domingo à tarde. Se ele prefere sorvete de creme ou chocolate, azul ou vermelho, verão ou inverno. Não conhece os seus artistas preferidos ou a música que ele está escutando no momento. Você não sabe se ele gosta de ir à praia ou prefere fazer uma trilha com os amigos. Se gosta de terror, ficção científica ou de nenhum dos dois. Ele pode ter nascido em outro país e já ter conhecido metade do mundo. Pode ter entrado no Louvre, caminhado pela Times Square e visitado o Coliseu. Talvez ele tenha parado de estudar pra formar uma banda ou tenha descoberto uma paixão por física quântica. Você não sabe nada sobre ele, e ainda assim, ele é o desconhecido que você mais quer conhecer no mundo.




Aposto que você perceberam o quanto o blog está diferente.. e também perceberam o quanto estamos ausentes. 

São fases!

Graças a Deus, todos nós colaboradores ingressamos no ensino superior. Então, fica difícil estar atualizando aqui. 

Mas, acreditem! 

Vamos tentar sempre deixar algo para você, uma crônica ou indicação.

Quem sabe tudo se ajeita no próximo verão.

Obrigada por tudo.



A alma dela é poesia, tem estrofe, verso e sempre rima. Seus pensamentos são constelações. Ela é a música que sempre repete. Ela é intensidade e ter seu sentimento é sorte. Seu coração é grande demais, cada batida é inspiração. Ela se sente tão cheia de amor que pensa estar prestes a transbordar. Nada nunca é "só" um momento. Tudo é bonito e vale uma fotografia. Pra ela a vida tem trilha sonora e como em um filme pode parar o tempo onde quiser. Ela é a luz que preenche a cidade à noite. O vento que te acerta em cheio e a onda que te afoga dentro dela. Suas palavras nunca são só palavras, elas tem peso, significado e propósito. Ela é o que é e ponto. Ela tem um mundo interno gigante, um universo só dela.

Ela sente demais, muito, bastante. Sente tanto que quase não cabe no peito. Um coração só não é o suficiente. Ela é puro amor, mas não entrega tudo de bandeja. Ela vem devagar,com calma. Ela já pisou muito em falso mas ainda tem coragem de tomar banho de chuva. Agora ela quer ver tudo mais de perto porque sabe que se a gente não perder tempo com as coisas a gente perde as coisas com o tempo. Ela quer viajar o mundo de uma vez só. Ela quer olhar para a imensidão do horizonte e não saber onde o céu começa e o mar termina. Poque ela é assim também,sem fim. Ela é todas as cores em uma, a gravidade que te puxa de volta e o destino que bate na sua porta pra te fazer enxergar o que sempre procurou. 

Ela é a garoa que cai sobre a cidade e molha tudo aos pouquinhos, é a brisa do mar que te invade por inteiro. A luz que aquece, te conforta. A melodia que você não é capaz de reproduzir, e o seu pensamento da madrugada. Ela é a sexta que você tanto espera chegar. Ela é os fogos que pintam o céu na meia noite e a juventude que nunca se esvai. Ela é uma corrida a 100 quilômetros por hora e a insanidade que você procura no álcool, o delírio de sábado à noite. O poema que você rabisca na última folha do caderno e o déjà vu que você não se importaria de ter todos os dias. Ela é cada palavra que você nunca conseguiu dizer. É verdade, paixão, adrenalina. Ela é inspiração, intensidade e profundidade. Ela é arte.





Tudo bem. Eu acho que agora entendo,algumas coisas não acontecem com a gente,ou pelo menos não quando achamos que deveriam acontecer. As vezes a sorte não vem,o destino não colabora e o capítulo da nossa história não tem mais espaço agora. Talvez só tenhamos que parar de nos culpar por aquilo que não depende só da gente. Nem tudo é planejado,algumas coisas chegam assim de repente, sem avisar. E as vezes elas nunca chegam,ou parecem não chegar nunca. E eu não odeio tudo por isso,não odeio mesmo. Então agora eu decidi parar de me preocupar com o que foge do meu controle. Tudo bem, eu deixo pra lá,deixo o destino tomar as rédeas, me conduzir. No tempo do tempo. Que demore o quanto precisar,mas que venha. 

Eu vou esperar menos. Parar de procurar sinais em tudo. Não tem nada a ver com pessimismo. Descobri que é assim que as coisas acontecem: quando a gente coloca qualquer roupa para ir à aula de terça feira ou quando saímos atrasados de casa esbarrando em todo mundo no meio da rua. É nesse momento que o destino resolve cruzar o nosso caminho e nos coloca em situações que nem a mente mais sonhadora poderia imaginar. Então a gente se surpreende com o rumo que a vida toma. E essa é a melhor parte, o inesperado. Quando se é pego totalmente de surpresa. O acaso chega e parece aleatório,mas não é. Só que o destino não bate na porta,não há acaso que resolva quando estamos fechados para o mundo.

Quando o universo te der essa chance,tire proveito da sorte. Eu sei,nessas horas geralmente o medo toma conta,os pensamentos correm a mil e a ansiedade chega dizendo: ´´Isso nunca vai dar certo.`` Mas vai, não do jeito que a gente espera, nem no dia que a gente espera, mas vai. O problema é esperar demais e se preocupar mais com o destino do que com o caminho até lá. Aí as coisas passam despercebidas e quando vemos já perdemos muito. Perdemos o presente vivendo no futuro que pode nem acontecer. Vivemos esperando que a vida siga o nosso roteiro, mas esquecemos que ela é feita de improvisos e erros de gravação. Ela é ao vivo.

Deixe a mente aberta e veja além do que te mostram. Sonhe, e não se arrependa nem um pouco disso. Ainda tem muitos momentos inesperados para esperar. Um dia você vai perder o ônibus, entrar na rua errada ou ir à algum lugar que não gosta mesmo que pudesse ter saído cinco minutos mais cedo,usado o GPS ou simplesmente ter passado mais uma sexta feira à noite vendo filmes em casa. Aí você vai entender que precisava estar ali naquele exato momento. Porque quando estamos dispostos a nos arriscar um pouquinho o universo tende a se abrir. Sei que algo está se aproximando, mas por enquanto eu vou deixar o destino um pouco no comando porque agora o meu coração está completamente aberto para o que vier.